Home - Sobre - Newsletter - Contato - Anuncie - Comprar Fotos

www.belapauliceia.com.br - Tudo sobre São Paulo 

SP Economia Mundial Paulicéia Artes Ciência e Cultura Gastronomia Arquitetura

Busca:

  SP Economia Mundial

  Paulicéia

  Artes Ciências Cultura

  Gastronomia

  Arquitetura



 



  Institucional
  Fale Conosco
  Clima Tempo
  CET

Publicidade

26 junho - Êsse e todos os dias são de Combate às Drogas
 

26 de junho – Dia internacional de combate às Drogas                        Desde 1987, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu este alerta

 

De acordo com a Secretaria Nacional de Políticas contra a Droga, não existe um número preciso de usuários de drogas, em especial o crack no Brasil. Segundo números apresentados a partir de dados do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – existem mais de 1 milhão de usuários.

Entretanto, é importante lembrar que o crack, apesar de ser muito agressivo, não é a única droga a causar dependência. Podemos destacar ainda a maconha, cocaína, o álcool – que apesar de liberado traz tantos danos colaterais quanto às drogas ilícitas.

Hoje o alcoolismo é a 5ª maior doença incapacitante no mundo. São acidentes, perdas afetivas, financeiras, morais, físicas, etc. A maconha, que algumas pessoas acreditam ser uma “droga leve”, produz alterações da percepção, causa delírios, euforia, confusão mental, entre outras.

Em 1987, a Organização das Nações Unidas (ONU) determinou 26 de junho como o Dia Internacional de Combate às Drogas. Para a coordenadora terapêutica especialista em dependência química da clínica Maia Prime, Ana Cristina Fulini, essa é uma data em que a população deve discutir e refletir sobre um tema que assusta tanto as pessoas.

“Falar sobre drogas é uma carência que toda a sociedade brasileira vive, portanto falar sobre isso sempre é válido desde que feito com responsabilidade. Vejo pessoas fazendo até certa chacota a respeito, o que me leva a pensar o quanto estamos despreparados para lidar com uma possível regulamentação”, afirma Ana Cristina.

De acordo com a especialista, é preciso um trabalho mais fundo em prevenção e tratamento dos dependentes que, segundo ela, não são criminosos e sim doentes: “lugar de doente é no hospital e não na cadeia. Se o doente cometeu ato infrator deve se levar em consideração a doença também. O uso vai além do traficante, não é uma linha de mão única. Ninguém usa porque está disponível para usar, usa por outros tantos motivos e esta é a nossa bandeira: discutir, avaliar”, explica.

Ana Cristina afirma que o acompanhamento clínico multidisciplinar e o apoio da família são muito importantes para a recuperação do usuário: “a desintoxicação depende de indivíduo para individuo, de tempo de uso e qualidade da droga consumida”.

 

 
Clique aqui para mais matérias sobre Arte Ciência e Cultura.

 

 





Copyright - Todos direitos reservados a Bella Paulicéia.